Passeio de um dia à Victoria


Butchart Gardens

Quer conhecer duas das atrações mais requisitadas por quem faz uma viagem à Vancouver? Quer ir à Victoria e ao Butchart Gardens mas não sabe como chegar lá?

Em primeiro lugar saiba que... Victoria e o Butchart Gardens não ficam ali “na esquina”... Para as pessoas que estão em Vancouver e pretendem visitar essas atrações, é necessário programar com antecedência e reservar o dia inteirinho para o passeio. É um passeio que demora aproximadamente dez horas.

Muitos turistas me contactam às 11 da manhã dizendo “Eu queria ir hoje visitar o Butchart Gardens”. Ouço isso em todos os idiomas, até mesmo os Canadenses de Toronto, Montreal e Quebec . Muita gente pensa que "é tudo ali na esquina”... mas não é!

Tanto o Butchart Gardens como a cidade de Victoria (capital da Columbia Britânica) estão localizados na Ilha de Vancouver. Atenção, não confundir “Vancouver” com a “Ilha de Vancouver”!

Butchart Gardens

A cidade de Vancouver (onde moro e onde está localizada a Vancouver by Locals) fica em terra firme, banhada pelo oceano pacífico. Já a “Ilha de Vancouver” fica distante cerca de 60km da costa e tem várias atrações excelentes, incluindo Victoria, a capital da nossa província e os jardins Butchart (Butchart Gardens), famosos no mundo inteiro.

A Ilha de Vancouver (Vancouver Island) tem cerca de 460 km de comprimento e aproximadamente 100 km de largura, variando ao longo da extensão. A cidade de Victoria fica no extremo sul dessa ilha, a aproximadamente 75 quilômetros sudoeste do continente.

Victoria é a capital da província de British Columbia e foi fundada em 1843 como um forte para a companhia de peles Hudson’s Bay. É uma cidade pacata, com menos de 1 milhão de habitantes e também conhecida como“Garden City” (cidade jardim). As temperaturas são amenas durante o ano inteiro. Enquanto no Canadá as pessoas jogam hóquei em lagos congelados, em Victoria o futebol é jogado o ano inteiro em campos bem verdinhos. Há uma chuvinha quase que diária o ano inteiro (mais tipo “garoa”, mas as plantas, evidentemente, agradecem).

A primavera costuma chegar cedo em Victoria e as pessoas gostam de celebrar contando o número de flores desabrochando na cidade. Essa contagem é um evento anual que é levado muito à sério pelos moradores.

A cada ano a Camera do Comércio pede para que os moradores contem o número de narcisos (daffodils), açafrão (crocuses) e outras flores. As pessoas telefonam para as estações de radio locais informando o número alcançado. Esses números são somados e o resultado é transmitido para todo o país.

De acordo com Rick Lee, um metereologista da cidade de Victoria, chegam a desabrochar mais de 4 bilhões de flores em apenas um ano.

Victoria é conhecida ainda pelas baleias, golfinhos e focas que amam suas águas calmas. Os passeios para ver baleias são muito famosos na região.

Um pouco de história:

Victoria foi povoada primeiro por aborígenes, entre eles os Songhee e os Kosapsom. Esses pertenciam à grande nação aborígene conhecida como “Coast Salish”. Eles viviam em casas de cedro e alimentavam-se da pesca do salmão. Caçavam ainda leões marinhos, de onde tiravam a pele marrom e macia para a confecção de vestimentas.

O primeiro homem não aborígene a pisar na região foi o Capitão James Cook em 1778. Ele chegou na costa oeste da ilha de Vancouver e descobriu aborígenes já vivendo na região.

Em 1842, um mercador de peles chamado James Douglas chegou à região. Ele era o líder da Hudson’s Bay Company. Essa companhia era baseada na Grã Bretanha e era a principal companhia de peles nessa região que é hoje conhecida como Canadá.

Em 1843 Douglas e seus homens construíram o Forte Victoria, o nome sendo uma homenagem à Rainha Victoria. Eles contrataram os aborígenes (Songhee) para murarem a área ao redor do forte com paredes altas formadas por troncos de árvores. Em seguida começaram a plantar trigo nas planícies ao redor do forte. Em todos os outros lugares da Ilha de Vancouver os britânicos estavam pescando, extraindo madeira e explorando minas de carvão.

O forte Victoria e o pequeno vilarejo ao redor dele passaram então a ser a cidade principal.

Em 1852 milhares de pessoas em busca de ouro passaram por esse assentamento ao redor do Forte Victoria. Esse fluxo de mineiros fez o forte crescer e homens de negócios passaram a ser atraídos para a região e começaram a construir hotéis e vender artigos para o garimpo.

Em 1862, Victoria já tinha crescido tanto que foi oficialmente denominada “cidade”.

O primeiro prefeito da cidade de Victoria foi Mr. Thomas Harris, eleito por aclamação em 16 de agosto de 1862 e presidiu o primeiro conselho da cidade em 25 de agosto de 1862. Thomas Harris foi responsável por mandar instalar iluminação à gás nas ruas da cidade.

Ao mesmo tempo, a Ilha de Vancouver e o continente eram duas colônias britânicas distintas. Em 1866 o governo britânico uniu as dias colônias e elas passaram a ser uma só. A nova colônia recebeu o nome de New Westminster, no continente. Algumas pessoas não gostaram dessa localização em New Westminster porque não era um local bom para atender navios. Em 1868 os líderes do governo mudaram a capital para Victoria.

Nessa época o novo país chamado Canadá já rinha sido criado. A Columbia Britânica juntou-se ao Canadá em 1871, com Victoria sendo a capital da província. Victoria é a cidade mais antiga da costa oeste do Canadá.

Apesar de Victoria ter se transformado na capital da província, ainda não havia a sede da prefeitura. O prefeito e o conselho tinham que se reunir na corte de Justiça e algumas vezes na prisão. Finalmente a sede da prefeitura foi construída (entre 1878 e 1891)

Eventos Chave:

1843: James Douglas construiu o Forte Victoria

1858: Mineiros começaram a passar pelo assentamento do Forte Victoria. Uma força policial foi criada para proteger.

1862: Victoria foi transformada em cidade

1865: A Marinha Royal Britanica criou a a base naval do Pacífico em Esquimalt.

1868: Victoria passou a ser a capital da Columbia Britanica

1891: A prefeitura de Victoria ficou pronta e foi inaugurada

1910: A Marinha Naval Canadense passou a usar Esquimalt como sua base oeste.

1914-1918: Habitantes de Victoria saíram para lutar na I Guerra Mundial.

1939-1945: Habitantes de Victoria sairam para lutar na 2a. Guerra Mundial. Em Esquimalt muitas pessoas trabalhavam construindo navios que ajudaram a lutar na guerra,

1960: A companhia de Ferries (que pertence ao governo), começou a operar, ligando Victoria e o continente

1966: Criação dos Distritos regionais.

Victoria tem vários prédios em estilo colonial britânico. Três construções localizadas próximo uma das outras fazem parte do album fotográfico de todos os turistas: O Parlamento, o Royal British Columbia Museum e o The Empress Hotel, famoso não só pela arquitetura e hóspedes ilustres como também pelo chá das cinco.

Parlamento

Parlamento (construido entre 1893 - 1897) projeto do arquiteto Francis Rattenbury

O prédio do parlamento é uma atração popular Os domos são de cobre, o que dá um belo efeito alinhavado. À noite o contorno dos prédio é iluminado por luzinha brancas.

Prédio do Parlamento à noite

Royal British Columbia Museum

The Empress Hotel

The Empress Hotel

Como chegar em Victoria?

A ligação entre “Vancouver" e "Vancouver Island" é realizada por mar e por ar. A forma mais popular é através da barca (aqui chamado simplesmente de “ferry”).

Para utilizar a barca (ferry) você poderá:

  • ir como passageiro à pé (podendo inclusive levar sua bicicleta) - Essa é a forma mais barata, e recomendada para quem está com orçamento apertado e consegue se comunicar bem em inglês. Nesta opção você poderá chegar ao terminal de barcas em Tsawwassen de transporte público e de lá irá comprar o tíquete do ferry e entrar como passageiro à pé. A travessia custa CAD 17.20 por pessoa (só ida), e o mesmo valor é cobrado na viagem de volta. Se você levar uma bicicleta, vai pagar mais CAD 2.00 pelo transporte da bicicleta no ferry.

  • ir de motocicleta - Vai pagar a tarifa específica para motos no guichê da BCFerries e seguir as instruções de onde estacionar a moto dentro da barca. Neste caso você vai pagar CAD 17.20 por pessoa mais CAD 28.75 pela motocicleta. (Novamente, estes preços são para apenas uma direção. Para a viagem de retorno irá desembolsar os mesmos valores).

  • ir com seu carro (próprio ou alugado) - Vai pagar a tarifa específica para carros no guichê da BCFerries e seguir as instruções de onde estacionar o veículo dentro da barca. Neste caso irá pagar CAD 17.20 por pessoa mais CAD 57.50 pelo carro. (Note que estes preços são para apenas uma direção. Para a viagem de retorno irá desembolsar os mesmos valores novamente).

  • ir através de bilhete em empresa de ônibus que faz a ligação entre as ilhas - Você irá comprar o tíquete na “Central Station” em Vancouver (é a nossa “rodoviária" e os ônibus que fazem a conexão direta com a ilha partem de lá). Caso escolha essa opção irá pagar CAD 47.50 por pessoa apenas para ida. Para a viagem de regresso irá desembolsar o mesmo valor.

  • ir através de uma excursão de ônibus - Há várias empresas em Vancouver que oferecem excursões de um dia para Victoria e os Butchart Gardens. Fique atento pois a maioria dos guias fala apenas inglês e se você não dominar o idioma vai perder muita informação interessante. Esse tipo de excursão é cansativo e sempre escuto que o passeio atrasa bastante e que as pessoas voltam “acabadas”... rsrsrs

  • ir através de transporte privado com um carro e motorista exclusivo para conduzir você e seu grupo. As vantagens são obvias, você é apanhado em seu hotel e receberá atenção individualizada durante todo o passeio. Esse é o serviço que ofereço e se você tiver interesse entre em contato por email ou telefone (temos WhatsApp) e informaremos a tarifa dependendo do número de pessoas, dia da semana e época do ano. Note que, como apenas o carro no ferry custa 120 dólares (ida e volta) + cada passageiro custa para andar de ferry 35 dólares (ida e volta) e o motorista também paga + gasolina + o trabalho de dirigir e comentar + os gastos de manter um veículo novo legalizado e com seguro apropriado para levar passageiros... faça o somatório do custo e veja que este não é um passeio que custa “dois tostões”... rsrsrs É uma experiência fantástica mas requer tempo (pelo menos 10 horas) e um certo investimento financeiro por sua parte! Tendo interesse entre em contato conosco e vamos elaborar um orçamento. :)

Dependendo da disponibilidade financeira, para alguns clientes eu crio um itinerário em que levo-os de carro até o Butchart Gardens em seguida passeio pelo centro de Victoria e no regresso eu os levo até o hangar do hidroavião. Embarco os passageiros no hidroavião e volto sozinha no meu veículo. Dessa forma os passageiros ganham quase 3 horas já que a viagem de hidroavião é muito rápida (são apenas 25 minutos, com a vantagem que o hidroavião sai do centro de Victoria diretamente para o centro de Vancouver _ mais prático impossível!

Hidroaviões em Vancouver, prontos para voar para vários destinos, incluindo Victoria

Gosto dessa alternativa para as pessoas que têm disponibilidade financeira porque assim posso oferecer o melhor dos dois mundos: Vão de ferry para conhecer a travessia e voltam de hidroavião para desfrutarem da experiência de pousar na água bem aqui no centro de Vancouver, caminhando em seguida para seu hotel com toda tranquilidade e segurança.

Também estou disponível para acompanhamento com toda a viagem sendo feita em hidroavião. Opção excelente para os que querem conhecer Victoria e Butchart Gardens, dispõem de pouco tempo (ou não querem se cansar muito) e não falam inglês. Nesse caso eu acompanho e dou todo a assistência durante o passeio, comentando sobre as atrações e maximizando a experiência nesse passeio inesquecível.

A partir do próximo verão (verão de 2017) haverá ainda o novíssimo V2V, uma super-lancha que vai sair daqui do centro de Vancouver e vai deixar os passageiros no centro de Victoria em aproximadamente 3 horas de viagem. A previsão de preços é que o serviço custe a partir de 240.00 Cad por pessoa.

Para as pessoas que têm curiosidade em saber como é a barca que liga o continente à Ilha de Victoria, aqui estão as fotos. As barcas diferem um pouco em capacidade e tamanho, mas para que possam ter uma idéia, a barca das fotos é a “Pacific Spirit” (Espírito do Pacífico), com capacidade para 2100 passageiros e 470 veículos.

Quando você vai de carro, seja dirigindo ou como passageiro participando de um tour, você vai desembarcar num andar como este, onde os veículos vão parando um atrás do outro e os passageiros vão desembarcando.

Andar onde ficam os carros e os passageiros desembarcam

Em seguida você terá que subir as escadas ou pegar o elevador (quase todo mundo usa as escadas)

Suba até o deck de passageiros (deck 5) e lá escolha o que fazer para passar o tempo, pois a viagem dura cerca de 90 minutos.

Há vários bares e restaurantes, sendo que o restaurante tem serviço de buffet (comida ótima)

À bordo há várias opções desde máquinas vendendo snacks, passando por cafés e um restaurante estilo buffet já mencionado, onde você pode se servir à vontade.

As poltronas são bastante confortáveis e o ambiente é tranquilo, proporcionando uma viagem bem agradável

Salas de estar para os passageiros

Há ainda máquinas de ATM para tirar dinheiro, uma sala exclusiva para jogos tipo “lan house” e estações de trabalho onde é possível carregar os celulares e colocar o trabalho em dia.

O ferry conta ainda com um mini playground e uma lojinha com produtos muito interessantes, incluindo artesanato dos First Nations.

Loja à bordo

Os que querem ainda mais conforto e uma sala bem exclusiva, pagam acesso para o lounge. São mais CAD 12.00 por pessoa.

A travessia é uma atração à parte e você poderá ver a barca vindo no sentido oposto e passando pertinho da sua.

As barcas se cruzam ao longo da travessia. Fique atento para baleias. São frequentes na região.

Quando vier à nossa região entre em contato conosco e faça passeios com quem fala português (com sotaque brasileiro) e conhece a região como a palma da mão porque nós somos.... locais! Daí nosso nome: “Vancouver by Locals”! :)

Featured Posts